Publicado em: sexta-feira, 24/02/2012

Madrasta e avô são indiciados por homicídio de menina de nove anos

A madrasta e a avô da menina Savannah Hardin, de nove anos, foram indiciadas por homicídio. Elas estão sendo acusadas de obrigar a criança a correr durante três horas sem parar como forma de punição pela menina ter mentido.

De acordo com a polícia do Alabama, nos Estados Unidos, Savannah disse que não tinha ingerido doces e, por este motivo, recebeu a punição que acabou levando ao seu óbito.

Depois de horas correndo ininterruptamente, a criança ficou muito desidratada, sofreu uma convulsão e faleceu alguns dias após o episódio. A madrasta de Savannah, Jessica Mae Hardin, de 27 anos, chegou a telefonar para os serviços de emergência locais, e disse para o atendente que a criança estava tendo uma convulsão. De acordo com a polícia, Savannah morreu na segunda-feira, no hospital em que estava internada.

Investigação irá apurar se a menina sofreu ameaças de violência física

Os investigadores do caso irão tentar descobrir se a criança passou por ameaças de violência física ou se Savannah somente recebeu ordens orais para que fosse correr. Testemunhas viram a menina correndo do lado de fora de sua casa na tarde de sexta-feira, porém não acreditaram que estava acontecendo algo sério com Savannah. Roger Simpson, uma das testemunhas, afirma que não consegue pensar como isso pode ter matado a criança.

De acordo com a investigação, a razão pela qual a menina foi obrigada a correr foi porque ela teria mentido para a avó, Joyce Hardin Garrard, que teria comido um chocolate dentro do ônibus da escola. Declarações na mídia norte-americana afirmam que Savannah tinha problemas na bexiga que não permitiam que ela comesse doce. O pai de Savannah estava viajando quando tudo aconteceu, e voltou para casa algumas horas antes da filha morrer.