Publicado em: terça-feira, 08/11/2011

Lupi tenta manter apoio do PDT para ganhar sobrevida no Ministério

O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, tenta mostrar ao Palácio do Planalto que conta com o apoio da bancada do PDT na Câmara para ganhar sobrevida no seu cargo. A presidenta Dilma Rousseff, que esperava manter o ministro no cargo até janeiro, quando já planejava fazer a reforma ministerial, começou a considerar a possibilidade de substituí-lo em um futuro próximo, caso surjam mais denúncias contra a pasta.

No domingo (06), Lupi foi cobrado tanto pelo ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral), quanto a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, para dar explicações. O caso do Ministério do Trabalho foi discutido em reunião com a presidenta nesta segunda-feira (07), quando ela demonstrou a insatisfação com a situação do ministro. Antes mesmo do surgimento destas denúncias a presidenta já estava irritada com Lupi. O primeiro episódio foi quando ele publicou uma portaria obrigando empresas a usarem o ponto eletrônico para registro da jornada de trabalho.

Incomodados com a medida, os empresários buscaram o Planalto e o Congresso para reclamarem sobre a situação. Outro ponto negativo para o ministro foi quando os seus assessores estavam dificultando a prestação de contas das ONGs para o Trabalho. Por conta disso, alguns núcleos próximos a presidenta já esperavam que surgissem denúncias contra o ministro.

Até o momento, Lupi ainda mantém o apoio da maioria da bancada do PDT na Câmara. Além de ministro, Lupi também é o presidente do partido. Caso consiga permanecer no cargo até janeiro, Lupi deve renunciar para reassumir as suas funções interinas de presidente do PDT.