Publicado em: segunda-feira, 26/05/2014

Lucas Salles que atuou recentemente na novela “Além do Horizonte”, é o novo repórter do CQC

Lucas Salles que atuou recentemente na novela “Além do Horizonte”, é o novo repórter do CQCComo mais novo repórter do “CQC”, Lucas Salles não vê a hora de poder estrear com o terno preto que é a marca registrada dos integrantes do programa. Durante uma entrevista, o ator, roteirista e também escritor, conta que “não vê a hora de ser jogado na cova dos leões”, brincando, ele ressalta o seu diferencial em relação aos outros: “Eles têm talento, eu não”, ri.

Lucas fala sobre o convite que recebeu da produção do programa. Eles assistiram alguns vídeos que tiveram sua participação no Parafernalha – canal de humor no Youtube -, a própria equipe do CQC assistiu e gostou da performance. Além disso, ele também havia acabado de terminar de gravar a novela “Além do Horizonte” na rede Globo. Quando questionado sobre o fato de ter abandonado a emissora pela rede Bandeirantes, ele nega e destaca: “Acho que um ator que tem em mente que precisa ser bom aceita qualquer desafio independente da mídia. Acho que precisamos descobrir novos caminhos, traçar novos projetos e apostar. Ser repórter agora é uma aposta tanto da Band quanto minha”, opinou. “É uma coisa séria que envolve notícias, entrevistas, pensamento rápido, uma série de coisas que um ator não está acostumado”.

Desejo: Protestos!

Mesmo sem ainda saber em que área e qual tipo de matéria produzirá para o programa, o ator diz estar se preparando para tudo, mas confessa que sua vontade é pode cobrir as manifestações que podem acontecer durante a Copa do Mundo. “Adoraria cobrir uma passeata durante a Copa, porque tenho certeza que vai acontecer. Esse é um ano muito importante para o Brasil, além dos 50 anos do Golpe Militar, temos a Copa e as eleições.

É um prato cheio para o jornalismo, para quem quer ouvir o que o povo tem a dizer”, afirma. Já em relação ao movimento “Não Vai Ter Copa”, completa dizendo: “Acho que a Copa pode ser importante, mas um país precisa também de saúde, educação e investimento cultural. Sou ator e sei que o mês de junho será difícil para as artes”.