Publicado em: segunda-feira, 13/02/2012

Lindemberg Alves vai a júri popular nesta segunda-feira

O julgamento de Lindemberg Alves Fernandes, acusado de matar a ex-namorada Elóa Pimentel, de 15 anos, em outubro de 2008, acontece hoje (13). O crime aconteceu após um sequestro de mais de 100 horas, que além de resultar na morte da estudante, deixou ferida Nayara Rodrigues, amiga da jovem, também com 15 anos. Na ocasião, Lindemberg foi preso e levado ao presídio de Tremembé, São Paulo.

Segundo a promotora de Justiça responsável pela acusação, Daniela Hashimoto, a condenação de Lindemberg é certa. “O crime foi premeditado, ele foi lá decidido a matá-la”, afirmou. As provas apresentadas pela acusação incluem o áudio gravado durante as operações do Gate. Se condenado, a pena do acusado pode ultrapassar os 100 anos de prisão.

Por outro lado, a defesa aposta em material midiático para mostrar que o caso foi tratado de forma sensacionalista e com contato abusivo da imprensa, o que influenciou Lindemberg. Além disso, também há acusações sobre o modo que o Gate operou ao tentar fazer o resgate.

Ao todo, dezenove testemunhas podem ser ouvidas durante o julgamento, sendo cinco de acusação e outras 14 de defesa. Entre as testemunhas de acusação estão os amigos de Elóa que também foram mantidos reféns e o sargento da Policia Militar Atos Antônio Valeriano. Já entre as de defesa estão jornalistas e peritos do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate).

Lindemberg responde por 12 crimes – todos cometidos no período que manteve Eloá e outros três em cárcere. Ele é acusado do homicídio de Eloá, de manter quatro pessoas reféns, de duas tentativas de homicídio (de Nayara Rodrigues e um sargento da Polícia Militar) e do disparo de quatro tiros a esmo pela janela do apartamento.