Publicado em: domingo, 17/08/2014

Líderes do PSB se reúnem em São Paulo para decidir o que será feito com a candidatura

Líderes do PSB se reúnem em São Paulo para decidir o que será feito com a candidatura Os líderes do PSB se reuniram nessa quinta-feira (14) em São Paulo para resolver como iria ser realizado a remoção do corpo de Eduardo Campos para Recife e também como será o futuro da campanha presidencial. O presidente nacional do partido, Roberto Amaral, o 7líder do Senado e o candidato ao governo do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), líder na Câmara, Beto Albuquerque (PSB-RS), presidente do partido no Rio, deputado Gláuber Braga e o deputado Júlio Delgado (PSB-MG) estão reunidos em São Paulo. O presidente nacional do PPS, Roberto Freire, um dos partidos que formam a chapa, também estão presentes na capital paulista.

Depois de se encontrarem, Delgado e o ex-ministro Fernando Bezerra, foram até o Instituto Médico Legal (IML) para acompanhar o processo de identificação e liberação do corpo. De acordo com Júlio Delgado, Eduardo Campos disse à ele que se estivesse vivo, ficaria feliz em ver a vice Marina Silva como candidata. Mesmo com tantos rumores em torno do próximo candidato que o PSB irá eleger, Marina que é vice na chapa da coligação “Unidos pelo Brasil” (PSB, PPS, PHS, PRP, PPL, PSL, e a Rede), ainda não se pronunciou sobre o fato. Em uma conversa por telefone, o deputado, presidente do PSB em Minas Gerais e integrante do Diretório Nacional do partido, afirmou que seu sentimento é de que Eduardo gostaria de ver a vice ser candidata, o que o leva crer é a cumplicidade que eles construíram ao longo desses meses que estiveram juntos.

Possíveis candidatos

Além dele, Beto Albuquerque considera a candidatura de Marina “natural”. Em seu comentário, ele afirmou que não se sabe qual será o destino da candidatura, antes da decisão, é preciso conversar internamente, verificar a disposição de todos, dos aliados também e saber o que pensam e quais são seus posicionamentos. Não há como saber se Marina que é a grande companheira, aceita ou não ser candidata, ainda não houve nenhuma conversa sobre o assunto com ela. Ele acredita que seja normal o nome dela ser citado nesse primeiro momento, mas mediante a um “abalo” desse, não se sabe o que está passando na cabeça de cada um, conclui.