Publicado em: segunda-feira, 01/08/2011

Líbia: integrantes do CNT afirmam que líder militar foi morto por milícia rebelde

As forças rebeldes na Líbia, que formaram o Conselho Nacional de Transição (CNT), divulgaram que seu líder militar, Abdel Fattah Younes, foi assassinado pela milícia rebelde. O corpo de Younes foi encontrado na quinta-feira (28) após ser convocado para um interrogatório. Antes do início das manifestações contra o governo do ditador Muammar Kadafi, Younes era integrante do regime como ministro do Interior. Por conta disso, Younes sofria com desconfianças manifestadas pelos rebeldes quanto a sua real fidelidade partidária.

De acordo com o ministro de Finanças e Petróleo do CNT, Ali Tarhouni, o líder militar teria sido morto por um grupo islâmico conhecido como a Brigada Obaida Ibn Jarrah. Além disso, a informação sobre os autores de crime teria sido repassada por um líder da milícia islâmica aos rebeldes da oposição. O corpo de Younes foi encontrado junto com o dos seus dois assessores e os três foram mortos a tiros.

Para o governo de Kadafi, que se manifestou pelo seu porta-voz, Moussa Ibrahim, a crise interna dos rebeldes é um “tapa na cara” dos britânicos que reconheceram o CNT como governo oficial da Líbia e expulsou os antigos embaixadores do Reino Unido. Além disso, Ibrahim garante que o assassinato foi planejado pela Al-Qaeda e que os manifestantes tem conhecimento disso, mas temem pelas ações que o grupo terrorista pode planejar.

Com a suspeita de que a morte do líder militar dos rebeldes tenha realmente sido uma ação de outros integrantes do CNT, a preocupação é que o grupo perca sua autonomia perante o cenário internacional ao demonstrar fragilidade interna.