Publicado em: quinta-feira, 03/05/2012

Levy Fidelix, do PRTB, nega envolvimento com bicheiro

Procurado pela imprensa para responder às acusações de envolvimento com Carlinhos Cachoeira, o presidente nacional do PRTB, Levy Fidelix, negou ontem que conheça o bicheiro e que negociou a venda do PRTB. Ele também disse que não tem envolvimento com a quadrilha de jogos ilegais de Goiás. Cachoeira está preso em Brasília e é acusado de comandar uma quadrilha de jogo do bicho no estado. As gravações telefônicas mostraram uma conversa em que é citado o nome de Levy Fidelix, se referindo à compra de seu partido, o PRTB. Em entrevista, Fidelix negou que conhece tanto Cachoeira quanto Dadá, o sargento Idalberto Matias de Araújo. Segundo ele, esse episódio não passa de um “factoide”. Segundo ele, o único Dadá que ele conhece é dos Trapalhões. E Cachoeira somente da Itaipu Binacional.

O presidente do PRTB voltou a ressaltar que não tem contato, nunca houve e não conhece os integrantes da quadrilha de Cachoeira. No entanto, escutas telefônicas feitas pela Polícia Federal durante o ano de 2011 mostram a tentativa do bicheiro de comprar o PRTB de Goiás para obter favorecimentos políticos em Brasília. Dadá e Cachoeira citam as legendas menores e uma delas que aparece é o partido de Levi Fidelix. Ao ser questionado pelos jornalistas se o partido estaria a venda, ele disse que é como um filho para ele, por isso jamais haveria intenção de vender. Levy Fidelix é o fundador do partido.

Levy Fidelix argumenta que querem prejudicar sua candidatura

Ao ser questionado sobre o porquê seu partido teria sido citado pelo bicheiro, Fidelix respondeu que o vazamento dessas escutas feitas pela polícia para a imprensa tem por objetivo prejudicar a sua pré-candidatura à prefeitura de São Paulo. O presidente do partido disse ainda que vai conversar com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, pois precisa de explicações sobre o fato. Segundo ele a conversa já está marcada. Fidelix argumentou que isso não é um caso de polícia, mas de política.