Publicado em: quinta-feira, 22/03/2012

Lei Geral da Copa é adiada para a próxima semana

Já adiada outras vez, a Lei Geral da Copa ainda não foi aprovada pelo Congresso. A votação foi iniciada na sessão de ontem, mas foi postergada pelos deputados. O maior problema é que logo no começo das discussões alguns partidos da base aliada entraram em obstrução. Sem parlamentares suficientes para fazer a votação o presidente da Câmara dos Deputados, o deputado Marco Maio, do PT do Rio Grande do Sul, foi obrigado a terminar a sessão e transferir a votação para uma outra data.

Para que o projeto continuasse em pauta durante a tarde de ontem, era necessária uma quantidade mínima de congressistas. Pelo menos 257 deputados precisariam registrar seu voto no painel eletrônico da Câmara, porém apenas 155 se apresentaram na votação. Participaram da obstrução os partidos, PTB, PDT, PMDB, PPS, PSC, PSD, PR e DEM,

O principal motivo da obstrução é que os partidos querem que a votação da Lei Geral da Copa esteja vinculada ao Código Florestal. A bancada ruralista quer que o presidente da Câmara marque uma data para a aprovação do Código Florestal, no entanto a votação foi adiada porque o governo teme perder para a oposição devido aos problemas internos na base aliada. O objetivo é melhorar a votação entre os partidos para fortalecer a discussão do Código. Os partidos disseram que só votarão a Lei Geral da Copa quando o presidente da Câmara apresentar uma data e se comprometer que o Código será votado nesse dia.

Outro problema também é que algumas questões da Lei Geral da Copa não estão de acordo com parte dos deputados. É o caso da bancada evangélica que é contrária à venda de bebidas alcoólicas nos estádios. Segundo o presidente da Frente Evangélica, João Campos (PSDB-GO), há mais de 100 parlamentares que discordam da liberação da bebida durante os jogos. Segundo Campos, são deputados de vários partidos que querem uma copa sem álcool.