Publicado em: quarta-feira, 17/08/2011

Laudo médico confirma evidências de estupro em camareira de hotel de Nova York

A revista francesa L’Express divulgou nesta terça-feira (16) informações obtidas com o laudo médico realizado com a camareira do hotel Sofitel de Nova York, Nafisatou Diallo, que acusou o ex-diretor-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, de abuso sexual. De acordo com a publicação da revista, o laudo comprova a identificação de evidências que mostram que a camareira foi estuprada pelo francês. As acusações contra Strauss-Kahn foram registradas em maio desse ano.

De acordo com o relatório, Diallo, que registrou a denúncia no dia 14 de maio, apresentava diversos ferimentos, os quais foram identificados como consequências do estupro. A conclusão do laudo termina fazendo referência ao “diagnóstico: agressão. Causa dos ferimentos: agressão e estupro.” O relatório inclui o fato que Diallo chegou ao hospital sendo transportada por uma ambulância, mas tinha condições de caminhar sozinha. Além disso, um policial acompanhava a camareira.

Ao descrever o procedimento de avaliação da região íntima de Diallo, o relatório mostra quais foram as impressões e constatações feitas pelo médico responsável pelo procedimento. Descrito na última página, o laudo registra que havia traumatismo na parte posterior e a região estava avermelhada. A denúncia realizada por Diallo perdeu fôlego quando surgiram informações sobre um contato da camareira com um traficante.

Quando rastrearam a conversa da camareira com tal conhecido, foi levantada uma denúncia contra Diallo, a qual apontava que ela estaria mentindo sobre as suas acusações para ganhar dinheiro com o processo. O traficante seria um parceiro no esquema. Porém, o advogado de Diallo, Kenneth Thompson, defende que essa conversa “não existe”.