Publicado em: terça-feira, 10/12/2013

Lançamento fracassa e satélite brasileiro despenca

Lançamento fracassa e satélite brasileiro despencaO satélite sino-brasileiro CBERS-3 tombou na Terra após de ter sido lançado do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan, na China.

A notícia foi admitida pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), através um comunicado oficial em seu site. Que informava que às 11h26, hora de Beijing, desta segunda-feira (9/12), o satélite CBERS-3, produzido em parceria do Brasil com a China, foi alastrado pelo transporte chinês Longa Marcha 4B, do Centro de Lançamentos de Satélites de Taiyuan, China.

A nota ainda relata que o que ocorreu é que tenha existido um problema de funcionamento do transporte lançador no decorrer do voo e, por conseguinte, o satélite não foi disposto na órbita prognosticada.

O Brasil acometeu R$ 270 milhões na edificação do CBERS-3, que é um artefato essencial (praticamente fundamental) do processo espacial brasileiro, que passará por um baque gravíssimo se por acaso o satélite não seja achado.

A suposição é que teria acontecido um dano no foguete que induziu o satélite ao espaço, exemplar Longa Marcha 4B. A constituição do satélite é uma sociedade entre o Brasil e a China, na qual cada nação, responderia por 50% da concepção; contudo o lançamento é 100% de encargo da China.

O Inpe chegou a anunciar uma nota em sua página de internet, no decorrer da madrugada divulgando que o lançamento tinha sido um triunfo. Os especialistas brasileiros que seguiram o lançamento remotamente, via teleconferência, do centro de domínio de satélites do instituto em São José dos Campos (SP), celebraram quando o mural solar do satélite foi mostrado, esperando que tudo havia percorrido bem.

Posteriormente, veio à ciência de que o satélite não jazia na órbita adequada, como um veículo que adentrara na faixa equivocada de uma pista, o que acatou na caída do satélite. Uma corte brasileira, conduzida pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Marco Antonio Raupp, e pelo diretor do Inpe, Leonel Perondi, comboiaram o lançamento ao vivo do núcleo de lançamento chinês.