Publicado em: sexta-feira, 05/08/2011

Lagarde investigada por acusações sobre sua atuação enquanto ministra do governo francês

A Justiça Francesa aprovou nesta quinta-feira (04) abrir uma investigação contra a atual diretora-geral do Fundo Monetário Internacional, Cristine Lagarde. O motivo para as investigações seria com relação à sua atuação enquanto era Ministra das Finanças da França, pois foi acusada de abuso de poder. Lagarde ocupou o cargo no governo francês entre 2007 e até junho desse ano, sendo que logo foi escolhida para controlar o FMI.

Apesar de estar sendo investigada, Lagarde afirma que não vai deixar o cargo de diretora-geral do banco internacional. De acordo com seu advogado, Yves Repiquet, que publicou a decisão por comunicado oficial, “o procedimento não é de forma alguma incompatível com as atuais funções da diretora-gerente do FMI.” Lagarde entrou no FMI por conta das acusações que surgiram contra o ex-diretor-geral, Dominique Strauss-Kahn, de ter abusado sexualmente uma camareira de hotel em Nova York.

Dessa vez, as acusações contra Lagarde dizem respeito à aprovação de um pagamento no valor de 285 milhões de euros ao empresário Bernard Tapie, pois o governo se encontrava em meio a uma disputa legal com o banco Crédit Lyonnais, que na época era do governo, sobre o qual Tapie alegava ter sido vítima de fraude. Além disso, o empresário é amigo do presidente francês, Nicolas Sarkozy. Nesse caso, os motivos dizem respeito exclusivamente ao valor repassado ao banco, pois não há indícios que Lagarde tenha obtido lucros pessoais com a transação.

Para Lagarde, a situação se mostra mais delicada por fazer apenas um mês que está no cargo de diretora-geral do FMI.