Publicado em: quinta-feira, 15/03/2012

Justiça suspende decisão do Procon-SP e Americanas, Submarino e Shoptime podem realizar vendas

Na noite de ontem (14) a Justiça suspendeu a decisão do Procon-SP que determinava o corte nas atividades de comércio na internet de três empresas. Os sites das Americanas, Submarino e Shoptime estavam proibidos de efetuar comprar por 72 horas a partir de hoje em todo o estado de São Paulo. O Procon-SP alega que o número de problemas e reclamações registrados por compras realizadas em sites cresceu 87% e diz que vai recorrer da decisão tomada ontem pela Justiça.

Evandro Carlos de Oliveira foi o juiz que determinou pela continuação dos serviços dos três sites de vendas pela internet. Ele alegou que a suspensão das atividades traria danos irreparáveis. No entanto o Procon-SP continua alegando que as atividades oferecidas estão gerando problemas para os clientes. Além disso, antes da suspensão as empresas seriam multadas em R$ 1,7 milhão.

Problemas com compras on-line cresce em 2011

A decisão do Procon-SP foi publicada no Diário Oficial do Estado de ontem (14). A assessoria da entidade registrou 2.224 casos de reclamações com sites da B2W em 2010. Em 2011, esse número cresceu 180% e foram atendidos 6.233 pedidos de reclamação. A assessoria do Procon-SP informou que a maioria das queixas dos clientes se deve a falta de entrega das mercadorias adquiridas ou defeito dos produtos. O Procon-SP tentou, ao longo do ano, resolver o problema com as empresas de compras.

A B2W publicou uma nota informando que resolveu a maioria dos problemas de seus clientes ao longo do ano passado. A companhia alegou ainda que, se comprado os dados desse segundo semestre de 2011 com o primeiro, houve uma redução de 27,9% no número de ligações recebidas por motivo de reclamações dos serviços prestados pelos sites. A quantidade reduziu ainda mais se comparar os primeiros meses deste ano com os mesmos meses de 2011. São 71,6% a menos de problemas registrados que no período anterior. Esses dados são registrados e analisados pelo SINDEC.