Publicado em: sexta-feira, 27/12/2013

Justiça Eleitoral já fez recadastramento de 8,7 milhões

Justiça Eleitoral já fez recadastramento de 8,7 milhõesA Justiça Eleitoral já desempenhou mais da maioria da finalidade de recadastramento biométrico para o pleito de 2014. O intuito é catalogar 16 milhões de indivíduos, e até o momento foram recadastradas, conforme dados divulgados na página do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 8.710.969 constituintes.

Estreado em 2013 e predito para concluir em 2014, o procedimento de recadastramento tem o desígnio de tornar mais confiável à eleição, prevenindo que um indivíduo tente se incidir por outro na hora da votação.

Por isso, são colhidas as impressões digitais de completos dedos das mãos, a fotografia e a assinatura virtuais do eleitor, que ainda deve modernizar suas informações de cadastro ao apresentar-se ao cartório eleitoral.

O TSE adverte que o eleitor conste a inspeção ao cartório eleitoral, por meio de agendamento antecipado de dia e período, para se recadastrar. A marcação pode ser realizada pela internet.

Ao apresentar-se à unidade de recepção, o eleitor deve exibir o título de eleitor velho, uma cédula de identificação com fotografia e comprovador de residência, todos originais.

No fato da constatação de residência, os documentos deverão ter sido expedidos no momento abrangido entre os 12 e três meses precedentes à data de apresentação à unidade da Justiça Eleitoral.

O recadastramento biométrico teve abertura nas eleições de 2008, quando foi tomado temporariamente em somente três cidades: Colorado do Oeste (RO), Fátima do Sul (MS) e São João Batista (SC). Um número pouco superior a 40 mil eleitores foram, na ocasião, observados biometricamente.

No pleito 2010, mais de 1,1 milhão de eleitores de 60 cidades, pertinentes a 23 estados compartilharam das eleições depois da assimilação de suas impressões digitais. Nas opções municipais de 2012, a tecnologia conseguiu mais de 7,7 milhões de eleitores de 299 cidades de 24 estados.

Em 2013, iniciou a terceira fase do projeto, desta vez com a finalidade de recadastrar mais 16 milhões de eleitores, de maneira a liberar 23,7 milhões de brasileiros permaneçam constatados biometricamente para as eleições do ano que vem.