Publicado em: quinta-feira, 24/04/2014

Justiça aceita denúncia feita pelo MPF contra o doleiro Alberto Youssef

Justiça aceita denúncia feita pelo MPF contra o doleiro Alberto YoussefA Justiça Federal do Paraná aceitou a denúncia feita pelo Ministério Público Federal (MPF) contra o doleiro Alberto Youssef, na última quarta-feira (23). O doleiro está preso desde março por estar envolvido, segundo a polícia, em um esquema junto com personagens do mercado clandestino de câmbio no Brasil. Agora ele passa a ser réu, e além dele, mais seis pessoas também tiveram as denúncias aceitas pelo juiz federal Sérgio Moro.

A operação conhecida como “Lava Jato” ficou na responsabilidade da Polícia Federal (PF) em março, o que levou a prisão de Paulo Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef, que é suspeito de estar à frente de um suposto esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas que teria envolvido uma quantia alta, em torno de R$ 10 bilhões. Youssef está preso desde o dia 17 do mês passado, e as investigações ainda acontecem por ele ser acusado de ser um dos mandantes do esquema. A operação aconteceu em diversos estados; Paraná, São Paulo, Distrito Federal, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rio de Janeiro e Mato Grosso.

Mais denúncias contra os envolvidos

O MPF apresentou denúncias por evasão de divisas, lavagem de dinheiro, fraude nos contratos de câmbio, operar instituição financeira sem autorização e formação de quadrilha. Segundo a procuradoria, aparecem nomes como o de Youssef, Carlos Alberto Pereira da Costa, Estra de Arantes Ferreira, Leandro Meirelles, Leonardo Meirelles, Pedro Argese Júnior e Raphael Flores Rodrigues.

O órgão também formou denúncias e reuniu provas contra Carlos Alexandre de Souza Rocha, Rene Luiz Pereira, Sleiman Nassim El Kobrossy, Maria de Fátima Stocker, Carlos Habib Chater, Rene Luiz Pereira, André Catão de Miranda, Raul Henrique Srour, Rodrigo Henrique Gomes de Oliveira Srour, Rafael Henrique Srour, Valmir José de França, Maria Lucia Ramires Cardena e Maria Josilene da Costa, e também do ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa. Todas essas denúncias contra esses nomes devem ser avaliadas pelo juiz.