Publicado em: sábado, 17/03/2012

Juros devem cair e se aproximar de mínimo histórico, diz ata do Copom

Depois de reduzir a taxa básica de juros de 10,5% para 9,75%, a ata da última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) dá indícios de que há uma grande possibilidade de a taxa cair ainda mais e ficar ligeiramente acima do menor número registrado na história. Esse marco foi em 2009, quando a taxa ficou em 8,75%. No documento os membros do Copom afirmam que a baixa dos juros se deve ao cenário econômico mundial que estava tendo impactos na economia brasileira.

Também houve dois outros fatores que influenciaram a decisão do Copom e principalmente na queda de 0,75% anunciada na semana passada. Trata-se da valorização do real ante o dólar e também da inflação brasileira. Na votação durante a reunião, em que precisavam decidir sobre o quanto seria a diminuição da Selic, cinco dos sete membros votaram por 0,75% ao invés de 0,50%.

O Comitê avaliou também que a inflação não tem chances de acelerar e desestabilizar o cenário econômico. Com isso, poderia ser dado um maior desconto na Selic, sem gerar problemas futuros na economia. O documento mostrou ainda que há indícios de que a inflação acumulada diminua nos próximos meses de 2012.

Copom avalia cenário favorável para a inflação em 2012

De acordo com as informações retiradas da ata do Copom, o cenário da inflação tem avaliação bastante favorável para 2012. A diferença é que em 2013 a estimativa não é tão positiva quanto para este ano. Tendo como base a taxa de juros em 10,50% e o dólar na faixa de R$ 1,70, a estimativa da inflação está abaixo de 4,5%, centro da meta (ela pode variar entre 2,5% e 6,5%). Essa projeção foi feita pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Já para 2013 o número foi elevado e está acima do valor central de 4,5%.