Publicado em: segunda-feira, 10/09/2012

Julgamento do Mensalão – Começa hoje terceira fase

Julgamento do Mensalão - Começa hoje terceira fase

Os Ministros julgarão os réus por lavagem de dinheiro

O ministro-relator do mensalão, Joaquim Barbosa, começará, a partir das 14h de hoje (10), a proferir o voto dele relacionado ao item 4 do processo, que tratará dos crimes de lavagem de dinheiro nas operações que foram realizadas entre as empresas de publicidade de propriedade de Marcos Valério e também do Banco Rural.

Nesta “terceira fatia” do julgamento, novamente serão julgados os réus envolvidos no núcleo financeiro do Banco Rural: José Roberto Salgado, ex-vice-presidente operacional; Kátia Rabello, ex-presidente; Ayanna Tenório, ex-vice-presidente; e ex-diretor e atual vice-presidente do banco, Vinícius Samarane. Além de todos eles, o item ainda inclui Marcos Valério e seus ex-sócios: Cristiano Paz e Rogério Tolentino; Geiza Dias, que era gerente financeira da agência SMP&B, de Valério; Ramon Hollerbach e Simone Vasconcellos, que tinha o cargo de diretora financeira da SMP&B.

A maioria dos envolvidos, que estavam na “classificação” do item 5, já foram condenados nas outras duas primeiras fases do julgamento, exceto Ayanna Tenório, que foi absolvida por nove dos 10 ministros na última quinta-feira (6).Os magistrados consideraram que não podiam tomar uma decisão já que havia uma imensa falta de provas da acusação pelo crime de gestão fraudulenta.

A que tudo indica, o ministro Joaquim Barbosa vai abordar o que a Procuradoria Geral da República talhou de um “sofisticado mecanismo de branqueamento de capitais”, que era montado pela cúpula do Banco Rural partir do ano de 2003, para dissimular a transferência dos valores que passariam por Valério, por seus sócios e também pelos funcionários que iriam distribuir os recursos aos parlamentares em busca da troca do apoio político ao governo do presidente do governo, Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

De acordo com a Procuradoria, os dirigentes do Banco trabalhavam em conjunto com Marcos Valério para conseguir obterem “mecanismos e estratagemas” para que conseguissem omitir todos os registros no Banco Central sobre quem seriam os verdadeiros beneficiários e os reais sacadores daqueles recursos que eram movimentados.