Publicado em: quarta-feira, 21/11/2012

Julgamento do Goleiro Bruno – Juíza aplica multa para três advogados que abandonaram plenário

Julgamento do Goleiro BrunoA juíza Marixa Fabiane Lopes, responsável pelo julgamento do ex-goleiro Bruno Fernandes que está sendo julgado pelo assassinato de Eliza Samudio, aplicou três multas para os advogados que deixaram o plenário na segunda-feira (19). Ércio Quaresma, Fernando Magalhães e Zanone Manuel Júnior estavam representando o ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos (Bola), e com a saída deles do fórum de Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte, fez com que Bola fosse desmembrado deste processo, ao qual era acusado como o executor de Samudio.

Conforme Lopes, este abandono do plenário foi realizado sem que houvesse um motivo razão com relevância jurídica e ela impôs uma multa de 30 salários mínimos, o que corresponde a R$ 18.660, e determinou que à seção mineira da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MG) fosse avisada. Segundo a juíza, esta saída do plenário pelos advogados do acusado é uma atitude que não pode ser justificada, e não tem nenhum respaldo legal para isso, e ela espera que uma multa seja aplicada, e disse que essas condutas causam enorme prejuízo para a sociedade.

A magistrada estava se referindo ao valor gasto com dinheiro público para o grande aparato de segurança que montaram para este julgamento, fora os gastos em diárias de hotéis aos jurados e para as testemunhas, com o deslocamento dos acusados e a movimentação da máquina judiciária para que o julgamento fosse realizado, além do gasto de tempo da juíza e dos servidores que se mobilizaram para este caso. Lopes disse que o ato de deixar o plenário feriu a ética profissional.

Os advogados abaondonaram este julgamento depois de discutirem com a magistrada sobre o tempo limite que a juíza impôs para que fossem apresentadas as questões iniciais, antes mesmo de que fosse sorteado quem faria parte do conselho de sentença. O promotor Henry Wagner Gonçalves classificou esta atitude como manobra frustrada, pois advogados dos outros acusados também fizeram ameaças de deixar o plenário, mas desistiram, se isto ocorresse de fato, o julgamento seria cancelado. Ao fazerem isto, os advogados de Bola não podem reassumir a defesa do réu em outro julgamento, porém, o advogado Quaresma afirmou ao deixar o Fórum que iria recorrer em instâncias superiores para que permanecesse sendo o advogado de Bola.