Publicado em: terça-feira, 16/08/2011

Juíz determina adiar o julgamento de Mubarak e não autoriza transmissão ao vivo

Julgamento do ex-presidente do Egito, Hosni Mubarak, foi adiado nesta segunda-feira (15) para o dia 5 de setembro. Ao anunciar sua decisão, o juíz responsável pelo caso, Ahmed Refat, informou que a próxima sessão será a portas fechadas e não terá transmissão ao vivo para a população. De acordo com Refat, essa medida visa favorecer o “interesse público”. Antes desta sessão ser adiada para o próximo mês, a primeira, realizada no dia 3 de agosto, já havia sido prorrogada para esta segunda-feira.

Ao receber a notícia de que não poderia acompanhar o julgamento de Mubarak, o engenheiro Sherif Mohamed afirmou “é um absurdo! O caso é necessário para a opinião pública. Não transmiti-lo ao vivo significa que houve um acordo com Mubarak.” Da mesma maneira como aconteceu no dia 3, Mubarak compareceu à sessão de segunda-feira sendo transportado em uma maca de hospital. O ex-presidente ficou internado desde o seu primeiro depoimento à polícia, durante o qual sofreu um ataque cardíaco.

As acusações que devem ser julgadas com relação ao ex-presidente dizem respeito às denúncias de corrupção enquanto estava no poder e pela responsabilidade de ter matado civis em um levante popular em janeiro. Caso Mubarak seja condenado culpado, a pena aplicada pode ser a de morte.

Desde o início das manifestações populares que tomaram conta de todo o Oriente Médio, Mubarak é o primeiro ex-líder a ser julgado pelos crimes cometidos durante sua gestão no poder. Além de Mubarak, seus filhos Alaa e Gamal também estão sendo julgados junto a ele.