Publicado em: quarta-feira, 16/05/2012

Juiz aceita denúncia contra os acusados de canibalismo em PE

José Carlos Vasconcelos Filho, juiz da 1ª Vara Criminal de Garanhus, em Pernambuco, aceitou a denúncia realizada contra os três acusados pela situação de canibalismo na cidade. Os três acusados, Bruna Cristina OIiveira da Silva, Isabel Cristina Pires da Silveira e Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, vão precisar responder pelas indicações de dois homicídios, além de falsidade ideológica, estelionato, furto qualificado e ocultação e profanação do corpo de duas mulheres. A investigação ainda tenta descobrir se houveram mais vítimas do grupo.

Itapuan de Vasconcelos foi o promotor que ofereceu a denúncia aceita na semana passada, na sexta feira (11). A continuidade do processo segue agora com a citação a respeito do processo de três réus, os quais estão encarcerados desde o mês de abril. Agora, os acusados tem 10 dias para que a defesa prévia seja apresentada e caso não se manifestem, a Defensoria Pública assumirá o caso.

Lado da defesa

O promotor avalia que a defesa do grupo deve alegar insanidade mental dos acusados, se referindo às características dos crimes atribuídos ao trio. Além do grupo atrair as vítimas e matá-las sem que houvesse a possibilidade de defesa, a acusação também inclui o esquartejamento e ingestão de partes do corpo das vítimas, apontando um suposto ritual para purificação.

O grupo foi preso Garanhus, na região agreste de Pernambuco. Entretanto, a polícia tem investigado crimes parecidos na região metropolitana do Recife e na Grande João Pessoa (PB).

A acusação afirma que após a morte de Jéssica Camila da Silva Pereira, o trio teria começado a cuidar da filha da vítima, com menos de cinco anos. A acusada Bruna passou a assumir a identidade da assassinada Jéssica. Além disso, outro agravante era que a criança estava sempre presente, testemunhando os crimes e acreditando que Jorge era seu pai.

Um livro escrito por Jorge foi o que forneceu informações usadas no embasamento da acusação. Ele ainda ilustrou o livro e registrou em cartório com o título “Revelações de um esquizofrênico”.