Publicado em: sábado, 24/03/2012

Jet ski que matou menina tinha “anomalia” no acelerador

O jet ski que causou o atropelamento e morte da menina Grazielly Lames, na praia de Bertioga, litoral de São Paulo, no dia 18 de fevereiro, indicou uma pequena “anomalia” no sistema de aceleração. O resultado é fruto de uma perícia feita pelo Instituto de Criminalística de Santos. O jovem de 13 anos que está sendo acusado de dirigir o jet ski fugiu do local do acidente sem prestar socorro.

O laudo teve sua conclusão feita na tarde desta quinta-feira (22) e já foi entregue ao delegado Rony Oliveira, responsável pelo caso. Ele havia garantido que o laudo do jet ski é “imprescindível” para o rumo das investigações. Já o advogado da família de Grazielly, José Beraldo, fez na última terça-feira (20) uma simulação no local onde ocorreu o acidente, onde os peritos concluíram que seria impossível o equipamento ter ficado desgovernado por quase um minuto.

De acordo com a perícia, quem pilotava o jet ski estava sobre ele até chegar bem próximo de onde Grazielly estava. O advogado de defesa do acusado, Maurimar Chiasso, afirmou que os menores apenas acionaram o aparelho, perdendo o controle logo em seguida, e então o aparelho teria saído sozinho, pelo mar, até atropelar a garota, a cerca de 500 metros de distância.