Publicado em: quinta-feira, 10/11/2011

Israel pede novas sanções ao Irã após relatório da AIEA

O primeiro-ministro de Israel, Benajmin Netanyahu, pediu nesta quarta-feira (09) que medidas sejam tomadas para conter os avanços do Irã no programa de energia nuclear, pois, de acordo com um relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), o país estaria desenvolvendo uma bomba atômica. A China e a Rússia, países junto ao Irã não-alinhados com o Ocidente, são contrários à adoção de novas sanções. No caso da Rússia, o governo já informou que vai impedir qualquer aprovação pelo Conselho de Segurança.

No primeiro comunicado divulgado por Netanyahu após a divulgação do relatório, o primeiro-ministro declarou “esse relatório significa que a comunidade deve conseguir deter a corrida do Irã para armas nucleares que colocam em perigo a paz do mundo e do Oriente Médio”. Para Netanyahu, a divulgação do relatório serve para comprovar o que Israel já vinha afirmando há muito tempo sobre a suspeição do uso inadequado da energia nuclear.

O relatório divulgado na terça-feira (07) configura a primeira vez em que uma agência da ONU acusa o Irã de ser suspeito na produção de armas atômicas. O documento indica que o país está desenvolvendo experimentos secretos e que o único objetivo destes seriam armas nucleares.

A agência entregou o seu informativo aos 35 membros da própria entidade e aos integrantes do Conselho de Segurança da ONU. Por sua vez, Teerã, capital do Irã, defende que as acusações são por influência dos Estados Unidos e dos ideais do Ocidente e acusou o país de Barack Obama de ter bombas atômicas já desenvolvidas e guardadas.