Publicado em: quarta-feira, 28/09/2011

Israel autoriza novos assentamentos em Jerusalém Oriental

O governo de Israel autorizou nesta terça-feira (27) a construção de mais 1.100 mil casas para colonos em Jerusalém Oriental, região reivindicada pela Palestina para ser a capital do Estado para o qual pediram reconhecimento à ONU na última sexta-feira (23). Os assentamentos autorizados por Israel são um dos pontos de conflito entre as duas nações. Os governos da Rússia e da China já se pronunciaram contrários à iniciativa israelense de ocupar o território.

O governo russo divulgou sua opinião nesta quarta-feira (28), afirmando que “esta informação causa uma grande preocupação em Moscou. Esperamos que os planos de construção em Jerusalém Oriental sejam revisados”. A Rússia argumenta que o momento escolhido para tal decisão vai contra o esforço internacional para que as duas nações consigam retomar as negociações de paz. A Rússia é uma das nações que vem apoiando a causa palestina há bastante tempo.

Ao mesmo tempo, o governo da China declarou que “lamenta profundamente” a decisão de Israel. A China defende que o governo israelense pense cuidadosamente nas suas atitudes para que as negociações de paz possam ser retomadas o mais rápido possível. Além disso, o governo chinês acredita que Israel deve tomar medidas que sejam construtivas e colaborar com os reforços internacionais.

Enquanto isso, o governo da Palestina já afirmou anteriormente que uma das condições para voltarem às negociações de paz com Israel é que os assentamentos sejam finalizados. Em contraponto, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que não tem a intenção de atender a essa determinação.