Publicado em: quinta-feira, 17/05/2012

Ipea estima crescimento do PIB entre 2,8% e 3,8%

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) tornou pública ontem a nova Carta de Conjuntura. Esse documento apresenta a previsão de que crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, o qual está estimado para crescer entre 2,8% e 3,8% em 2012. O Ipea também faz a projeção da taxa de inflação, a qual deve ficar entre 4,3% e 5,3% também neste ano. De acordo com Roberto Messenberg, que é o coordenador do Grupo de Análises e Projeções do instituto, essa projeção considera que a economia internacional poderá melhorar e não será mais deteriorada e apresentará melhoras. É partindo deste cenário que foram feitas as projeções.

Crescimento é levantado pelo consumo, diz pesquisador

Mesmo que este primeiro semestre de 2012 tenha mostrado um fraco desempenho da atividade econômica, principalmente na indústria, o instituto estima que haja maior aquecimento no decorrer do ano. No entanto o Ipea alerta que mesmo assim não haverá um crescimento tão vantajoso como o governo espera, ou seja, o PIB vai crescer mais, mas esse aquecimento não será suficiente para sua total recuperação. Segundo o coordenador da projeção, o que sustenta esse aumento do PIB no Brasil é o consumo. Ele acrescenta que houve um ajustamento nos estoque e as empresas voltaram a produzir mais em função da elevação do consumo.

De acordo com o pesquisador, essa elevação é moderada. Houve um crescimento do crédito e também uma permanência do nível mais elevado de renda das famílias, o que permitiu maior consumo. Além disso, houve uma expansão do emprego nesse mesmo contexto. No entanto, essas variáveis estão se acomodando o que pode fazer com que o PIB não cresça de forma tão elevada como se espera pelo governo e pelos analistas. Sobre a inflação, o Ipea aposta que o governo alcançará sua projeção para o ano e que a expectativa é que aja uma desinflação ao longo do tempo.