Publicado em: quinta-feira, 16/08/2012

Inicia leitura de votos do mensalão

Inicia leitura de votos do mensalãoO Supremo Tribunal Federal realiza hoje (16) o 11° dia de trabalhos referentes ao julgamento da ação penal 470, que é referente ao pagamento de propina em troca do apoio de diversos parlamentares nas votações no congresso, e ficou conhecido como mensalão. O ministro Joaquim Barbosa, que foi o relator do processo, é quem vai iniciar a leitura do seu voto.

Durante o trabalho, o ministro deverá apresentar a argumentação necessária para que haja a condenação ou a absolvição de 37 réus. A estimativa é que o ministro só consiga terminar a leitura da mais de mil páginas na próxima semana, ou após três ou quatro sessões.

O Ministro Ricardo Lewandowski será o segundo a apresentar suas conclusões referentes á denúncia da Procuradoria Geral, ele é revisor do processo.

Os principais réus

José Dirceu – É ex-ministro-chefe da Casa Civil do governo Lula, de 2003 até 2005. Foi acusado pelo delator do esquema Roberto Jefferson, de ser o manda chuva do mensalão. Teve seu mandato cassado em dezembro de 2005 e se tornou inelegível por oito anos. É indiciado por formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato e lavagem de dinheiro.

José Jesuíno Neto – Ex-deputado federal do PT. Ele seria o responsável pelo empréstimos feitos no Banco Rural e seu fiador foi Marcos Valério. Ele renunciou a presidência do PT e deixou o cargo de deputado federal em 2005. Mas, mesmo após comprovado envolvimento no escândalo, foi eleito deputado no ano seguinte.

Delúbio Soares de Castro – É ex-tesoureiro do PT. Ele foi acusado de criar e de achar meios para executar o esquema fraudulento. Quando o esquema veio á tona, ele assumiu a responsabilidade e disse que fez tudo por conta própria, na tentativa de tirar a culpa dos líderes do mensalão.

Marcos Valério Fernandes de Sousa- Dono da SMP&B. O publicitário é apontado como um dos responsáveis pelo esquema. Segundo o Ministério Público, era ele que tinha a função de operacionalizar o esquema em conjunto com Delúbio Soares e seria o avalista de diversos empréstimos no Banco Rural. Ele é acusado de ter um esquema semelhante em Minas Gerais, em 2008.