Publicado em: quarta-feira, 08/01/2014

Inflação prevista pode gerar desemprego, segundo analistas

Inflação prevista pode gerar desemprego, segundo analistasO mercado financeiro não está nada satisfeito com relação à inflação e crescimento da economia do ano passado, segundo divulgação dos números pelo Banco Central na segunda (06/01/14). A pesquisa foi efetuada com mais de 100 instituições financeiras na semana passada e a estimativa dos economistas dos bancos para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) de 2013 subiu de 5,73% para 5,74%.

Já para este ano a expectativa dos analistas recuou de 5,98% para 5,97% de acordo com o levantamento da autoridade monetária. E ainda, para o PIB (Produto Interno Bruto) de 2013, foi de 2,3% para 1,95%. E a previsão para crescimento deste ano é em torno de metade do estimado no orçamento, de apenas 3,8%. Dessa forma o Banco Central terá que manejar bem os juros para atingir as metas preestabelecidas.

A expectativa não é nada animadora, pois não há perspectiva de retomada no consumo pelas famílias brasileiras depois da desaceleração no início de 2013. Sendo assim o varejo terá um crescimento abaixo da média dos últimos anos.

Uma avaliação do Banco Central divulgada em 20/12/13 mostrou que, “A atividade tende a retomar trajetória de expansão, favorecida, entre outros, pelas perspectivas de maior dinamismo da economia global e, no âmbito interno, por uma absorção que tende a continuar a ser positivamente influenciada pela evolução benigna do mercado de trabalho e pelos efeitos dos programas de concessão de serviços públicos”. Ainda informou que sua previsão para o crescimento do PIB nos próximos meses, até Setembro de 2014 é de 2,3%, mas não divulgou sua estimativa para o crescimento em todo este ano.

Dessa forma a tendência é que o desemprego volte a aterrorizar os brasileiros este ano. As pessoas estarão procurando um segundo emprego para completar o orçamento familiar, mas ao mesmo tempo a oferta de vagas será menor.