Publicado em: segunda-feira, 15/07/2013

Índia já tem cerca de 6 mil desaparecidos

Índia já tem cerca de 6 mil desaparecidos O país já soma como desaparecidos cerca de 6 mil pessoas na Índia depois das chuvas que atacaram todo o norte indiano no mês de junho e estes desaparecidos já foram considerados como mortos, de acordo com anuncio feito pelas autoridades do país nesta segunda-feira, deia 15 de julho.

De acordo com a declaração de Vijay Bahuguna, o chefe de governo d Estado indiano do norte que foi o que mais sofreu com as chuvas, Uttarakhand, são no total ainda um número de 5.748 de pessoas desaparecidas. Bahuguna aponta que os processos que decidem as compensações financeiras que as famílias receberão do governo terá inicio na próxima terça-feira, pois eles consideram que os desaparecidos como mortos.

Todos os anos acontecem estas chuvas torrenciais que é a prevista monção, porém este ano ela ocorreu anteriormente ao habitual período em que elas acontecem anualmente, o que deixou muitos peregrinos e turistas ilhados naquele Estado.

O governo indiano comprometeu-se em providenciar 500.000 rupias, o equivalente a 6.300 euros para as famílias que perderam de forma fatal cada uma das vítimas nestas inundações e também deslizamentos de terra.

Sentença de estupro coletivo na Índia

Ainda na Índia, a sentença sobre o caso de estupro coletivo que comoveu o país e o mundo sofreu um adiamento para o dia 25 de julho.

Este crime comoveu o povo indiano e fez com que acontecessem diversas manifestações por todo o país. Os olhos do mundo se voltaram para o país onde parece ter como comum casos de estupro.

Esta seria a primeira sentença para o julgamento do estupro coletivo de uma jovem estudante que aconteceu dentro de um ônibus em Nova Délhi, com a presença de um menor de idade como acusado.

O menor acusado era um adolescente com 17 anos de idade na época do crime, que aconteceu na data de 16 de dezembro do ano passado.

O estupro coletivo foi contra uma jovem de apenas 23 anos anos de idade que após o crime faleceu, em decorrência dos ferimentos que sofreu.

Madhav Jarana, procurador geral anunciou que as audiências do caso chegaram ao fim e a decisão ficará para o 25 de julho.