Publicado em: quinta-feira, 23/02/2012

Incêndio em porta-aviões deixa 1 morto e 2 feridos

Na madrugada desta quarta-feira (22), uma pessoa foi morta e outras duas ficaram feridas em um incêndio no porta-aviões São Paulo, da Marinha brasileira. Um dos militares feridos conseguiu escapar. Ele machucou o pé e já está se recuperando em casa. Já o outro sofreu queimaduras e está na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital Naval Marcílio, e seu estado clínico é considerado estável. O marinheiro que morreu também sofreu queimaduras e foi encaminhado ao Hospital, porém não resistiu aos ferimentos.

As causas do incêndio ainda não foram divulgadas, mas acredita-se que tudo começou com uma pane elétrica. Contudo, também não se sabe o que teria provocado essa pane. As chamas foram controladas por homens do Grupo de Controle de avarias, grupo especializado e treinado para combater incêndios.

Um inquérito policial-militar foi aberto pela Marinha para investigar o acidente. O navio fica atracado no Arsenal da Marinha, localizado na Ilha das Cobras, Baía de Guanabara, centro do Rio de Janeiro.

Problema reincidente

Em novembro do ano passado, o porta-aviões já havia chamado a atenção devido a quantidade de fumaça preta que soltava enquanto passava pela Baía de Guanabara. A embarcação estava parada no estaleiro há mais de cinco anos, mas na época a Marinha garantiu que o nível de emissão dos gases estava dentro dos limites aceitáveis.

Já o Instituto Estadual do Ambiente (Inea), afirmou não ter sido comunicado a respeito do teste que deveriam ter sido feito no mar, um processo recomendável quando o caso envolve algum material poluente. De acordo com testemunhas, a fumaça que saia do porta-aviões era levada pelo vento até o interior de apartamentos da orla em Ipanema e Copacabana.