Publicado em: quinta-feira, 17/05/2012

Impacto da alta do dólar sobre exportações demora tempo, explica especialista

Embora o dólar tenha atingido, nesta semana, uma elevação acima de R$ 2, o que significa que está no seu melhor nível depois de três anos, isso não quer dizer, segundo especialistas, que o número de exportações vai aumentar em seguida. Um dos motivos para isso é que ainda há grande rigidez nos contratos comerciais e o mundo ainda sofre as turbulências da crise econômica. Isso impede que a alta nas vendas externas cresça rapidamente em função deste recorde do dólar.

Economista diz que alta crise mundial atrasa exportações brasileiras

Segundo Alex Agostini, economista-chefe da consultoria Austin Rating, pode ser que haja um aumento, mas isso vai ser resultado de outros fatores, como por exemplo, o início da safra de soja. Ele avalia, inclusive que a desvalorização do real não terá impacto nas vendas para outros países. Ele disse ainda que se o saldo da balança comercial melhorar será em função da queda das importações e não pelo aumento das exportações.

Alta da moeda terá efeito de longo prazo

Para o economista o cenário seria diferente se não estivéssemos vivendo uma crise econômica nos países europeus. Se eles estivem em condições de fazerem grandes importações, essa subida do dólar teria um efeito mais positivo sobre as exportações brasileiras. Mas como a situação atual não é de mercado forte comprador no exterior, não adianta ter dólar valorizado que o impacto será mínimo. Além disso, ele enumera um outro fatos que causa impacto negativo no aumento das exportações. É o fato de os contratos serem fechados com antecedência, ou seja, o efeito desse aumento levaria mais tempo para ser sentido, não sendo então algo imediato. As vendas terão influenciadas apenas próximo do final do ano, diz o economista.