Publicado em: terça-feira, 08/11/2011

Hugo Chavés defende terrorista Chacal

Nesta segunda-feira, dia 7 de novembro, o presidente da Venezuela Hugo Chávez declarou que o terrorista Carlos Ilich Ramiréz, mais conhecido como “Chacal”, foi um fiel seguidor da batalha para “libertação dos povos”. O presidente venezuelano, afirmou que esta seria sua posição e que poderiam falar muitas coisas sobre isto em qualquer “centro de poder do mundo”.

Chávez disse que poderiam dizer muitas coisas sobre sua opinião a respeito do terrorista em locais “onde se maneja com dois pesos e duas medidas a ética e a moral” e citou o exemplo da ação feita para encontrar Muammar Kaddafi, onde “massacraram a população civil”.

Hugo Chávez não quis falar sobre as acusações pelas quais o terrorista está enfrentando em um julgamento na França, porém afirmou que a Venezuela dará assistência a “Chacal” como daria a qualquer outro venezuelano que estivesse precisando no exterior. “Chacal” está passando por julgamento por crimes que cometeu na França nos anos de 1982 e 1983, que mataram onze pessoas e mais 150 ficaram feridas.

O julgamento de Carlos “Chacal” teve início na segunda-feira, e pode ter duração de mais de um mês. O venezuelano Carlos Ilich Ramiréz já cumpre prisão perpétua em penitenciária francesa por terrorismo. Chávez afirmou que não sabe sobre possíveis fatores que impeçam o Governo venezuelano de dar auxílio ao terrorista, inclusive arcar com as despesas do julgamento.

Com isso, Hugo Chávez mandou que Nicolás Maduro, seu chanceler, procure saber mais sobre esta situação. O irmão de Carlos “Chacal”, Vladimir Ramírez, comandou em Caracas um protesto com um grupo pequeno de militantes comunistas. O manifesto tinha por objetivo exigir que o Governo venezuelano tramite a repatriação.