Publicado em: quinta-feira, 19/04/2012

Hopi Hari: número de indiciados por morte pode ser reduzido pelo Ministério Público

Na última terça-feira (17), 11 pessoas forma indiciadas pela Polícia Civil de São Paulo, por homicídio culposo (sem intenção de matar), devido ao acidente que matou a adolescente Gabriela Yukay Nychymura, de 14 anos. O caso aconteceu no dia 24 de fevereiro, no parque Hopi Hari, na cidade de Vinhedo, interior de São Paulo. A jovem estava em queda livre no brinquedo La Tour Eiffel, espécie de elevador que desce de uma altura de cerca de 30 metros.

Entre os indiciados estão Armando Pereira Filho, presidente do parque e Cláudio Pinheiro Guimarães, vice presidente. Além deles, devem responder pelo caso os funcionários Vitor Igor Spinocci de Oliveira, Marcos Antonio Tomaz Leal e Edson da Silva, Lucas Martins Figueiredo, Juliano Ambrósio, Rodolfo Rocha de Aguiar Santos, Adriano César de Souza e Luiz Carlos Pereira de Souza e Stefan Fridolin Banholzer.

A investigação conclui que a falha no sistema de segurança do brinquedo era de conhecimento do supervisor de operações, que não paralisou as atividades do brinquedo enquanto a equipe de manutenção se dirigia até o local. Além disso, os funcionários poderiam evitar o ocorrido, pois foram negligentes ao permitir que Gabriela sentasse em uma cadeira que não funcionava havia dez anos.

De acordo com os peritos, a cadeira inoperante onde Gabriela estava foi alterada um dia antes do acidente, quando em uma manutenção, os técnicos mecânicos e elétricos fizeram uma mudança na chave que deixava o assento interditado.

A família da vítima enviou uma carta de agradecimento aos responsáveis pela investigação por terem esclarecido todos os fatos e indiciado os responsáveis. Já o Hopi Hari informou em uma nota que “o indiciamento é um ato provisório da autoridade policial que não significa condenação” e que irá aguardar decisão judicial.