Publicado em: sábado, 26/05/2012

Hondurenhos vão às ruas pelo fim dos assassinatos de jornalistas

Nesta sexta-feira (25), milhares de pessoas em Honduras fizeram protestos nas ruas de cinco cidades do país exigindo que cheguem ao fim os assassinatos de jornalistas. As mortes dos profissionais contribuíram para que Honduras alcance o recorde mundial de assassinatos. Os manifestantes gritavam pelas ruas “Não se mata a verdade matando jornalistas”.

De acordo com a agência AFP, milhares de hondurenhos caminharam com destino à sede do Comissariado de Direitos Humanos (Conadeh) e também para a Casa Presidencial. A passeata estava com o tema “Jornada pela vida e em defesa da liberdade de expressão” e foi organizada pelo Colégio de Jornalistas de Honduras (CPH).

Mudança de datas

Devido às manifestações, o CPH teve de mudar suas festas e comemorações tradicionais do Dia do Jornalista, 25 de maio. Em outros locais do país, profissionais da imprensa protestaram de maneira simultânea. As marchas aconteceram nas cidades como Comayagua, San Pedro Sula, Choluteca e La Ceiba.

Entre os presentes nas passeatas estavam ativistas de direitos humanos, colegiais, universitários e pacifistas. Somente em Tegucigalpa, cinco mil pessoas podem ter participado da manifestação, de acordo com o CPH. Segundo dados do Comissariado, 20 jornalistas foram mortos desde 2010, e os autores das mortes estão impunes.