Publicado em: sábado, 13/08/2011

Hillary Clinton pede posicionamento da comunidade internacional perante repressão na Síria

Como tentativa de pressionar a comunidade internacional e o presidente da Síria, Bashar al-Assad, a reconhecerem a necessidade de mudar a maneira de liderar o país, a secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, pediu que representantes de outras nações levantem suas vozes e que tomem atitudes de influência direta na gestão do país. Para a secretária, uma sanção que deve ser incluída no plano contra o governo de al-Assad é com relação à indústria de petróleo e gás da Síria.

O pronunciamento da secretária veio após ser questionada pela falta de iniciativa dos Estados Unidos em requisitarem que al-Assad deixe seu cargo. De acordo com Hillary, a intenção de Washington é que outros países também se manifestem e que não fique somente a opinião do governo norte-americano perante a crise da Síria. Para ela, os Estados Unidos tem deixado seu posicionamento claro com relação à perda de legitimidade de al-Assad.

Com relação aos outros países, Clinton declarou que “é importante que não seja apenas a voz norte-americana. E nós queremos ter certeza de que as vozes venham de todo o mundo. E queremos ver a Europa tomar mais passos nessa direção. E queremos ver a China adotando medidas conosco. Não há dúvidas na mente de ninguém onde os Estados Unidos estão.”

Os rebeldes da Síria protestam contra o governo de al-Assad, o qual mantém a mesma família no poder ha 41 anos. As primeiras manifestações começaram em março desse ano e a repressão feita pelo governo tem usado recursos de violência. Um levantamento mostra que ao menos 1.700 civis foram mortos nesse período.