Publicado em: quarta-feira, 23/05/2012

Greve dos Metros: Congestionamento em São Paulo bate recorde em dia de greve parcial no metrô

O Metrô de São Paulo amanheceu em greve parcial nesta quarta-feira (23). A paralisação trouxe inúmeros transtornos para os paulistanos. O número de congestionamentos na capital paulista bateu recorde durante a manhã e passageiros que estavam indignados com a situação enfrentaram a polícia.

O rodízio de automóveis foi suspenso nesta quarta-feira e a Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo (CET) divulgou que a cidade registrou o maior congestionamento no período da manhã da história, com 202 quilômetros de congestionamento.

A paralisação dos funcionários do metrô foi definida na semana passada, quando dois trens se chocaram na linha 3 vermelha. A confirmação da greve aconteceu na noite de ontem, terça-feira (22).

Vale lembrar que a greve dos funcionários é parcial e não está atingindo todas as estações e linhas. De acordo com as informações fornecidas pelo metrô, a linha 1 – azul está funcionando entres as estações Ana Rosa e Luz. Já a linha 2 – verde está operando entre as estações Ana Rosa e Clínicas. A linha 3 – vermelha está circulando entre as estações de Bresser-Mooca e Santa Cecília. Porém, todas estão com maior tempo de espera nas estações e circulando com velocidade reduzida.

Já as linhas 4 – amarela e 5 – lilás, que são operadas por uma empresa privada, estão funcionando em todo os seus trechos, mas também com velocidade reduzida. As linhas 11 – coral e 12 – safira da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), também estão paradas desde a madrugada de hoje.

Ainda segundo o metrô, o funcionamento de alguns trechos está sendo garantido pelos funcionários que não aderiram à paralisação e por aqueles que compõe o quadro administrativo, que hoje estão trabalhando nas estações e nas bilheterias.

Continuação da greve

Uma nova assembleia está marcada ainda para hoje, onde acontecerá a definição se a greve dos metroviários irá continuar ou não. Anélia Li Chum, desembargadora da Justiça do Trabalho, decidiu ontem que o metrô deveria trabalhar com 100% do efetivo nos horários de mais movimento, que acontecem das 5 horas da manhã até às 9 horas e das 17 horas até às 20 horas. Nos demais horários, o trabalho deveria acontecer com 85% dos funcionários. Caso essa decisão não seja cumprida, o Metrô será multado em R$ 100 mil por dia. Porém, o sindicato já havia afirmado ainda na noite de terça-feira que essa decisão seria descumprida.

Os funcionários do metrô pedem 5,37% de correção salarial e 14,99% de aumento real. Entretanto, em audiência realizada na Justiça do Trabalho, o metrô ofereceu 4,15% de correção e 1,5% de aumento real.