Publicado em: quarta-feira, 19/09/2012

Greve dos Bancários e dos Correios – Movimento fecha mais de 5 mil agências do país

Greve dos Bancários e dos Correios - movimento fecha mais de 5 mil agências do paísMuitas agências bancárias em todo o Brasil aderiram a greve da categoria que iniciou ontem, chegando a mais de 5 milagências. De acordo com informações da Contraf-CUT, a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, mais de cinco mil agências e centros administrativos amanheceram com as portas fechadas hoje, do total de mais de 21 mil.

No ano passado, a greve paralisou pouco mais de quatro mil agências no primeiro, sendo que a mobilização alcançou seu auge com o fechamento de quase dez mil agências de postas fechadas em todo o Brasil. De acordo com Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT, é preciso que inicialmente o movimento de greve seja estruturado, para que depois a mobilização siga se espalhando. Entretanto, sua avaliação é que neste ano a mobilização começou mais forte que em 2011.

O primeiro dia de greve chegou a mobilizar mais de 20 mil bancários somente em São Paulo, de acordo com o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. Durante o período da manhã, mais de 13 mil trabalhadores teriam aderido a mobilização. Em todo o país, a categoria soma cerca de 500 mil funcionários e quase 140 mil integram a base sindical.

Na semana passada, os banqueiros apresentaram uma proposta de reajuste linear para os salários, benefícios e pisos de 6%, representando uma grande disparidade da reivindicação. A proposta representa um aumento de real abaixo de 1%, quando os trabalhadores pedem 5% de aumento real. Duas assembléias gerais foram realizadas antes de iniciada a greve. Mas como o sindicato patronal não deu mais resposta após esta primeira proposta rejeitada, a categoria ficou sem alternativas.

A Fenaban, Federação Nacional de Bancos, prefere não comentar sobre os primeiros momentos deste movimento de greve da categoria. Na segunda feira (17), Magnus Ribas Apostólico, diretor de Relações de Trabalho da Fenaban, afirmou que a instituição estaria disposta a negociar, mas não poderia dar saltos muito grandes por conta da instabilidade econômica.

A expectativa agora é que a greve siga em movimento “cascata”, atingindo além das capitais e grandes centros, as cidades de interior.