Publicado em: quarta-feira, 23/05/2012

Greve do Metrô gera revolta e transtornos na capital paulista

A greve dos trabalhadores do Metrô da cidade de São Paulo, iniciada na madrugada desta última quarta-feira (23), gerou uma manhã de caos para os paulistanos, com um trânsito que bateu um recorde histórico, chegando a 231 km de engarrafamento. Passageiros revoltados acabaram entrarndo em confronto com policiais.

Além das diversas linhas do Metrô que estão paradas ou atuando de forma lenta, as linhas 11-coral e 12-safira da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), que fazem a ligação do centro para as cidades da região metropolitana, também ficaram paralisadas.

A SPTrans, responsável por gerenciar os ônibus, colocou à disposição o Paese (Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência), com ônibus de graça para atender aqueles que utilizam o metrô nos trechos que estão com estações fechadas.

Com a greve, o sistema de ônibus acabou sobrecarregado e os veículos deixaram seus pontos superlotados durante toda a manhã. Revoltados, diversos passageiros bloquearam a Radial Leste, uma das principais vias da zona leste, no trecho entre as estações Itaquera e Artur Alvim (linha 3-vermelha), que estavam fechadas.

Os pneus de alguns ônibus chegaram a ser furados para que tráfego na via não acontecesse. Para controlar a manifestação, policiais militares utilizaram bombas de efeito moral e pelo menos duas pessoas foram presas e uma mulher saiu ferida.

Outro protesto aconteceu na frente da estação Jabaquara (linha 1-azul), que também não abriu. Passageiros juntaram uma pilha de papelão e jornais e atearam fogo. Devido à greve, o rodízio de carros foi suspenso.