Publicado em: terça-feira, 24/07/2012

Greve de professores federais continua depois de categoria rejeitar proposta

Continua o impasse entre professores e o governo federal, já que os primeiros não aceitaram a proposta oferecida pelo governo. A greve já tem duração de 68 dias e segue sem data para terminar. Segundo Sérgio Mendonça, secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, não houve avanço nas negociações e está muito longe de um acordo. Ontem a categoria apresentou, durante quase três horas, os motivos pelos quais não aceitam o reajuste apresentado no dia 13. Segundo Marinalva Oliveira, presidenta do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes), essa rejeição da proposta ocorreu por unanimidade. Segundo ela essa proposta desestrutura ainda mais a carreira dos docentes e anda há muitas divergências nas concepções do governo e dos professores. Para mostrar o porquê a Andes é contra a proposta, a entidade apresentou um documento ao governo que contém 13 itens que justificam a rejeição. O documento afirma que a proposta não foi elaborada de maneira correta, dando atenção aos conceitos e critérios necessários.

57 das 59 universidades estão em greve no país, diz dados do Sinasefe

Os dados indicam que há pelo menos 57 das 59 universidades paradas, assim como 34 dos 38 institutos federais de educação tecnológica. Esses dados são atualizados diariamente pelo Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe) Na percepção de Amaro Lins, secretário de Educação Superior do Ministério da Educação, o governo tem se empenhado para melhorar o problema e manter um diálogo com os professores. O objetivo é resolver o problema o mais rápido possível para evitar que os alunos sejam ainda mais prejudicados. Hoje outra reunião já foi realizada entre os ministros da educação e do planejamento para discutir as novas reivindicações dos professores.