Publicado em: terça-feira, 23/08/2011

Greve de funcionários da saúde em Cuiabá

Nessa segunda-feira (22) os funcionários que atuam na Saúde privada da capital do Mato Grossa, Cuiabá, informaram que estão paralisando as suas atividades. A reivindicação resulta na falta de acordo com os donos dos hospitais da cidade. Na ultima terça-feira (16), foi realizada uma assembleias e negociações porém os pedidos não foram atendidos.

De acordo com o diretor do Sindicato dos Profissionais Enfermeiros de Mato Grosso (Sinpen), Dejamir Soares, as empresas ofertaram aos funcionários o reajuste de 8%. “A nossa categoria pede 10% para os enfermeiros e auxiliares e 15% para os técnicos de enfermagem, porém, a nossa proposta foi negada pelo sindicato patronal”, comentou Soares.

A manifestação começou pela manha com a realização de uma carretada que passou pelos principais hospitais da cidade. Durante o dia, os profissionais realizaram uma passeada com cartazes pedindo o reajuste salarial.

Para garantir que as atividades e o atendimento a pacientes não sejam prejudicados, o Tribunal Regional do Trabalho emitiu uma determinação na sexta-feira (19) para garantir que pele menos 75% dos profissionais mantenham as suas atividades em centros cirúrgicos e Unidades de Tratamento Intensivo (UTI). Caso a determinação sem seja cumpridas, será cobrada uma multa diária de R$ 50 mil.

“Essa liminar não está sendo cumprida pelos hospitais. Muitos gestores estão realizando assédio moral e proibindo os profissionais de manifestarem”, afirmou Soares. O Sinpen garante que os profissionais só voltam aos seus postos de trabalho regulares quando os empresários aceitarem o acordo e fizerem o reajuste.