Publicado em: quarta-feira, 29/02/2012

Grécia: parlamento aprova cortes exigidos para receber ajuda

Nesta terça-feira (29), o Parlamento da Grécia aprovou, com maioria absoluta, o projeto de lei que garante os cortes de gastos adicionais no valor de 3,2 bilhões de euros que estavam sendo exigidos como uma condição para que se recebessem os empréstimos internacionais, até mesmo a diminuição do salário mínimo e das aposentadorias. Esta lei era importante para que pudesse entrar em vigor as medidas determinadas pelo “troika”, composto pelo Banco Central Europeu (BCE), pela Comissão Europeia, e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Estas medidas são fundamentais para a concessão de um segundo pacote de resgate financeiro do país, avaliado no valor de 130 bilhões de euros. O texto foi aprovado com máxima urgência pelo Parlamento, e foi apoiado Poe 202 deputados dos 300 que fazem parte do Legislativo, sendo que 80 deles votaram contra a lei e os demais ou não quiseram votar ou não compareceram para tomarem a decisão.

Cortes com base nas medidas

Entre os cortes que fazem parte das medidas aprovadas está principalmente a redução em Saúde e Previdência e também, em menor valor, em Defesa. O salário mínimo, por exemplo, diminuirá 22% (585 euros por mês líquidos), sendo que para os menores de 25 anos esta redução é de 32%. As aposentadorias maiores que 1,3 mil euros por mês cairão em 12%, e também o bônus de pagamentos maiores que 200 euros por mês.

O ministro das Finanças, Evangelos Venizelos, admitiu que os “cortes são dramáticos”, porém afirmou que não existe outra solução para o problema. “Se não começarmos a gerar superávits primários no próximo ano, a situação será catastrófica”, afirmou o ministro. Além disso, também será feita a reestruturação de uma parcela dos bônus da Grécia para mãos privadas.