Publicado em: sábado, 24/03/2012

Grávida consegue o direito de se casar com namorado assassinado

O saldado francês Abel Chennouf, assassinado no último dia 15 na cidade de Montauban, no sudoeste da França, irá se casar com a namorada grávida. O advogado de Caroline Monet, Gilbert Gollard, afirmou que o presidente do país, Nicolas Sarkozy, concedeu a permissão para o casamento póstumo, por meio de uma lei do país que autoriza esta forma de matrimônio em situações especiais.

Caroline espera um filho do soldado para o mês de maio. Esta não é a primeira vez que uma autorização de casamento póstumo é concedida. Autorizações parecidas foram dadas para outras namoradas de policiais mortos em serviços em Lyon e Marseille. Abel Chennouf foi morto em uma série de atentados que chocaram não somente a França, mas todo o mundo, nas últimas semanas.

Crime

Abel Chennouf, de 25 anos, era um paraquedista militar francês. Ele foi morto a tiros na cidade de Montauban quando estava com dois colegas em frente a um caixa eletrônico. Um dos colegas, Mohmad Legouad, também faleceu no momento do ataque. O parceiro deles, Loïc Liver, ainda está internado e em coma. De acordo com a polícia do país, o acusado do assassinado, Mohammed Merah, francês de origem argelina, também cometeu outros dois ataques, mas em Toulouse.

O primeiro ataque de Merah aconteceu no dia 11, no qual assassinou o paraquedista Imad Ibn Ziaten. O último ataque aconteceu no dia 19, em uma escola francesa judaica. Desta vez, o ataque causou a morte do rabino Jonathan Sandler, de 30 anos, e de seus dois filhos, Arieh, de cinco anos, e Gabriel de quatro anos. O ataque na escola de Toulouse causou também a morte de Myriam Monsonego, de sete anos. O criminoso for morto na quinta-feira, pela polícia do país.