Publicado em: terça-feira, 27/05/2014

Graça Foster diz que, hoje, Petrobras não compraria Pasadena

Graça Foster diz que, hoje, Petrobras não compraria PasadenaA presidente da estatal Petrobras, Graça Foster, disse na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que se fosse hoje, a empresa não teria comprado a Pasadena. Ela voltou a apontar que os dados atuais mostram que não foi um bom negócio a compra. Apenas 16 pessoas estiveram presente na audiência de terça-feira, dia 27 de maio.

A refinaria Pasadena é do Texas, nos Estados Unidos. A compra foi efetivada no ano de 2006 e é alvo de investigações por parte do Ministério Público Federal (MPF), além do Tribunal de Contas da União (TCU). Há suspeita de superfaturamento nas transações.

Foster disse que as negociações não teriam sido feitas na situação atual. Ela ainda afirmou que em um futuro próximo será possível que o negócio volte a ser interessante. Foster diz que, atualmente, sabe-se da do pré-sal, do mercado interno crescente e a prioridade não seria a compra de uma refinaria do tamanho da Pasadena.

O relator da CPI, José Pimentel perguntou Foster se ela considera responsável pela compra da Pasadena a presidente Dilma Rousseff. A presidente da estatal diz que não acredita nessa possibilidade. Na época, Dilma era ministra da Casa Civil, além de presidir o Conselho de Administração da Petrobrás.

Foster diz que a responsabilidade da compra da Pasadena é exclusiva da diretoria da estatal, que fez a apresentação dos negócios ao Conselho de Administração. Ela falou que todas os envolvidos se manifestaram a favor da aquisição. Por isso, considera ter sido uma decisão do colegiado.

Semana passada, o ex-presidente da estatal, José Sérgio Gabrielli, também prestou depoimento em defesa de Dilma. Ele afirmou que a presidente do Brasil é uma profissional de extrema competência e tem opiniões firmes. Mas, que a compra da Pasadena não cabia a uma decisão somente dela, já que o Conselho Administrativo é formado por mais pessoas.