Publicado em: quinta-feira, 16/05/2013

Governo venezuelano necessita comprar 50 milhões de rolos de papel higiênico para que evitem escassez

Governo venezuelano necessita comprar 50 milhões de rolos de papel higiênico para que evitem escassezO governo venezuelano aprovou durante a terça-feira (14) que sejam comprados 50 milhões de rolos de papel higiênico para que possam se reabastecer frente à falta do produto em supermercados da Venezuela. O governo afirma que isto se deve devido a compras desnecessárias que foram causadas por causa do ambiente político que vive o país.

Fora a falta de papel higiênico, diversos alimentos e outros insumos estão faltando em supermercados depois da morte do ex-presidente Hugo Chávez, no mês de março. O governo de Nicolás Maduro está culpando empresas pelo pouco fornecimento de produtos e a grande parte deles teve os preços congelados.

Este anúncio chegou a ser realizado pelo ministro Ricardo Menéndez da Indústria, depois de reunião junto a Alejandro Fleming, titular da pasta de Comércio. Fleming afirmou que a primeira das remessa, que chegou a ser de 20 milhões de unidades, vai ser distribuída durante a sexta-feira (17).

Mesmo ao realizar a compra deste produto importado, Fleming chegou a negar que o país passe por uma fase de deficiência em sua produção. E não citou fontes, porém falou que o consumo de papel higiênico a cada mês na Venezuela chega a 125 milhões de rolos, porém que a demanda teria aumentado a quantidade em cerca de 40 milhões.

O ministro afirmou ainda que 50 milhões de rolos importados vão ser suficientes para que se possa lidar com o pouco abastecimento que, segundo ele, é devido a campanha midiática que faz com que seja promovida uma demanda excessiva em papel higiênico. Ele ainda falou que irão injetar grande quantidade no mercado para que o nervosismo seja acalmado.

Já Ricardo Menéndez anunciou que vai instalar máquinas novas para aumentar a capacidade da produção da fábrica Papeles Venezolanos, que foi expropriada pelo governo. Ele diz que tem que o país tem que se tornar menos dependente da importação e que isto seja produzido no território do país.