Publicado em: terça-feira, 16/08/2011

Governo sírio ataca civis e provoca repercussão internacional

As forças de segurança da Síria bombardearam pelo terceiro dia consecutivo nesta segunda-feira (15) as cidades de Latakia (noroeste do país) e Al Haula, na Província de Homs (centro). A invasão às regiões foram com o objetivo de conter manifestações contra o regime ditatorial do presidente Bashar al-Assad, quem autorizou o uso de violência contra os civis. Na repressão de segunda-feira, ao menos quatro pessoas foram mortas, mas esse número pode aumentar.

Antes de invadirem tais regiões, o governo sírio havia informado aos moradores dos bairros que se retirassem de suas casas. De acordo com o porta-voz da Agência aos Refugiados Palestinos no Oriente Médio (UNRWA, na sigla em inglês), Christopher Gunness, cerca de 5 mil a 10 mil refugiados deixaram o campo em Lakatia. “Não temos ideia de onde essas pessoas estão, não sabemos quantos deles foram feridos ou estão morrendo, ou mesmo se são idosos, mulheres ou crianças,” informou Gunness.

Ao ser divulgada a ação do governo contra seu povo, o ministro de Relações Exteriores da Turquia, Ahmet Davutoglu, exigiu que a Síria pare de atacar os civis e que essa é a “palavra final” da Turquia. Davutoglu pediu que outras nações também pressionem o governo de al-Assad.

Para o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, não há dúvidas de que a Síria ficará melhor sem al-Assad. Além disso, Obama afirmou que o povo sírio merece uma transição pacífica à democracia. O presidente americano defende que o seu governo está aliado a outros para pressionar o ditador sírio.