Publicado em: quarta-feira, 21/01/2015

Governo publica decreto que aumenta IOF sobre crédito

Na manhã de hoje, o Governo Federal publicou o decreto que vai representar aumento no Imposto Sobre Operações Financeiras, mais conhecido pela sigla IOF. Essa medida incide diretamente para o consumidor, nas operações de crédito. A nova regra entra em vigor a partir de amanhã, quinta feira, 22 de janeiro, quando o crédito passará a ficar mais caro. As informações foram publicadas no Diário Oficial da União. Com a nova medida, sobre para 3% ao ano a alíquota, que antes estava 1,5%. Isso equivale a alta de 0,0041% para 0,0082% a cada dia.

Para o consumidor, significa mais despesa, porque esse valor será cobrado além dos que já que estão incidindo na abertura das operações de crédito, de 0,38%. O governo espera com essa medida conseguir arrecadar quase R$ 7,4 bilhões somente em 2015. Outras medidas econômicas além dessa já haviam sido anunciadas no começo dessa semana por Joaquim Levy, o ministros responsável pela pasta da Fazenda. Além do anúncio de alterações no IOF, a pasta ainda comunicou questões como o aumento de tributos em produtos importados e também sobre os combustíveis. Com estas alterações, a equipe econômica espera conseguir arrecadar em 2015 cerca de R$ 20,6 bilhões.Governo publica decreto que aumenta IOF sobre crédito

Decretos econômicos pesam no bolso do consumidor

As medidas anunciadas esta semana vão resultar em um crédito ao consumidor ainda mais caro. Se a Petrobrás não reduzir o preço que vem cobrando das distribuidoras pelo combustível, a chance de diesel e gasolina aumentarem são grandes. De acordo com o ministro da Fazenda, as medidas são resultado apenas de um esforço do governo para colocar as contas públicas em dia, de forma a resultar em menor sacrifício possível. As medidas para ajustar as contas públicas bem sendo anunciadas desde que foi divulgada a nova equipe econômica, no final de novembro. Em 2014, as contas públicas sofreram forte deterioração, com arrecadação fraca em decorrência de baixo ritmo de crescimento da economia e desonerações.

Em algumas cidades, o aumento do combustível já foi sentido e a gasolina vem sendo encontrada a mais de R$ 3,30 o litro, onde antes estava por R$ 2,85 em média. Para ajustar as contas do governo, é o consumidor que sentirá o bolso pesando mais nos próximos meses.