Publicado em: terça-feira, 15/04/2014

Governo propõe salário mínimo de R$ 779,79 para 2015

Governo propõe salário mínimo de R$ 779,79 para 2015Na manhã desta terça-feira (15), o governo federal anunciou que o salário mínimo sofrerá um aumento de 7,7% em 2015, passando de R$ 724 para R$ 779,79 a partir de janeiro de 2015, beneficiando quase 50 milhões de brasileiros.

A informação é uma das propostas da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), divulgada pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, e no início da tarde foi encaminhado ao Congresso Nacional para votação.

No ano de 2012, o ministro da fazenda, Guido Mantega, anunciou que a estimativa de que o salário mínimo subisse para 800 reais até 2013, mas como o crescimento do país não foi de acordo com as previsões, aumentará 20 reais a menos de que o previsto.

Naquele momento, esperavam que o salário mínimo devesse chegar em R$ 803,93 até 2015, mas no ano seguinte a previsão recuou para R$ 778,17 e voltou a subir em abril deste ano.

No entanto, esta será a última vez que o aumento do salário mínimo terá o PIB como base, pois haverá outros fatores que deverão ser incluídos na estimativa do salário.

Alguns economistas veem a medida como política e não econômica, pois deixam o debate para fora dos anos eleitorais, o que, segundo eles, é errado. Mansueto Almeida é um dos economistas do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e afirma que é comum deixarem assuntos como esse de lado em vésperas de eleições.

Mansueto afirma que o aumento de 72% no salário mínimo foi responsável por diminuir as desigualdades no país, entretanto, aumentou os gastos do governo com previdência e assistência social. Além disso, tais aumentos podem ser nocivos à economia, sobretudo para a inflação.

“É preciso que a Dilma leve ao Congresso e à população os problemas e questionar se eles querem que a regra de aumento do salário mínimo continue em vigor”, afirma.