Publicado em: sábado, 14/06/2014

Governo iraquiano aplica plano em defesa de Bagdá

Governo iraquiano aplica plano em defesa de BagdáO grupo de jihadistas estão avançando para a capital de vários pontos do Iraque e já se encontram a 100 quilômetros de Bagdá. Para conter a ameaça dos rebeldes, o governo iraquiano está aplicando um plano em defesa da capital do país. A medida foi divulgada na última sexta-feira, dia 13 de junho, pelo Ministério do Interior.

O plano do governo do Iraque diz respeito a uma grande mobilidade das forças de segurança do país. O porta voz do Ministério do Interior, o general Saad Maan, declarou que é uma nova ação para ser colocada em prática em uma momento excepcional, quando qualquer deslize pode facilitar que o inimigo ataque a capital do país.

Na terça-feira, 10 de junho, começaram os ataques do grupo jihadistas. Os integrantes deste grupo pertencem ao Estado Islâmico do Iraque e Levante, conhecido pela sigla EIIL. Eles tomaram o poder na província de Nínive, no norte do país. Trata-se da capital Mossul, de Tikrit, e também de outras regiões da província de Saladino. Além disso, o grupo também invadiu áreas das províncias chamadas Kirkuk e Diyala.

Desde o mês de janeiro de 2014, os jihadistas ocupam a cidade de Fallujah, na província de Al-Anbar. A cidade fica a somente 60 quilômetros ao oeste da capital Bagdá. Além disso, parte de Ramadi também está ocupada. Uma gravação de áudio foi divulgada na última quarta-feira, dia 11 de junho, em que um porta voz do grupo EIIL, Abu Mohamed al Adnani, faz uma convocação para que o combatentes continuem machando em direção a Bagdá.

Na noite de quinta-feira, 12, os jihadistas tomaram duas áreas na província de nome Diyala. Isso aconteceu depois que as forças de segurança foram retiradas. As informações foram divulgadas pelos oficiais da polícia. Os rebeldes tomaram o poder da localidade de Saadiyaj e Jalawla, que fica a nordeste da capital de Diyala, Baquba. As forças de segurança passaram a abandona as suas posições conforme os homens armados foram avançando.

O Iraque vive uma crise política há cerca de cinco meses e até agora o Parlamento do país não obteve sucesso na realização da sessão por falta de participantes. A sessão era para ter sido realizada na quinta-feira, 12. Mesmo assim, os parlamentares deverão se reunir para atender o pedido de Nuri al-Maliki, governo xiita.