Publicado em: quarta-feira, 24/10/2012

Governo financiará mais de 1.600 bolsas de residência médica no próximo ano

Governo financiará mais de 1.600 bolsas de residência médica no próximo anoEm 2013, o Ministério da Saúde pretende fazer o financiamento de 1.623 bolsas para a residência médica em 19 especialidades que são consideradas como prioridade e que faltam profissionais específicos, como pediatria, anestesiologia e neurocirurgia. Haverá também o financiamento de 1.270 bolsas de residência multiprofissional, que é voltada a enfermagem e psicologia.

Isso faz parte do Programa Nacional de Apoio à Formação de Médicos Especialistas em Áreas Estratégicas (Pró-Residência), que busca alinhamento na formação dos especialistas no Brasil com o que o Sistema Único de Saúde (SUS) necessita. O governo pretende criar 4 mil vagas para a residência médica e 3,2 mil vagas a área multiprofissional daqui a 2 anos. Hoje, o Brasil tem 10.434 profissionais terminando algum tipo de residência.

Segundo Alexandre Padilha, ministro da Saúde as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste serão prioritárias, pois nestes locais há uma ausência de especialidades médicas.

O ministro lembra que investir nessas residências poderá ajudar com que profissionais se fixem em Estados que haja falta de médicos e outros profissionais da área da saúde.

Segundo o governo, no Nordeste há 1,09 médico a cada mil habitantes. No Norte este valor é ainda menor, atingindo apenas 0,9 médicos por mil habitantes. Já no Sudeste esta taxa é 2,4, no Sul atinge 1,9 e no Centro-Oeste 1,7. A média brasileira de médicos a cada mil habitantes é de apenas 1,8, contra 3,2 na Argentina, e 3,7 no Uruguai.

No total, o ministério aplicará R$ 82,7 milhões em bolsas no próximo ano. Deste total, R$ 46,4 milhões serão para a residência médica e R$ 36,3 milhões para a residência multiprofissional. O valor mensal da bolsa é de R$ 2.861,79 para cada profissional.

Estão previstas a capacitação de supervisores (preceptores) e a destinação de R$ 80 milhões para infraestrutura dos hospitais e das unidades básicas de saúde que ampliarem o número de residentes. Os recursos devem ser utilizados na reforma e na estruturação de espaços, como bibliotecas, salas de estudo e laboratórios.

Os hospitais também vão receber, em 2013, valores mensais para a manutenção dos programas de residência e para o desenvolvimento da preceptoria. A previsão de recursos para essa ação é R$ 60 milhões.