Publicado em: sábado, 07/02/2015

Governo estuda ampliar horário de verão em um mês

Com o aumento de impostos e gastos no início desse ano de 2015, a crise hídrica e de energia é apenas mais uma das preocupações dos governantes para conseguir lidar antes que tudo atinja o ponto de caos. A ampliação da medida do horário de verão é uma das alternativas estudadas pelas autoridades como forma de garantir que seja consumida menos energia no começo desse ano. A proposta prevê que o horário de verão se estenda até o mês de março. De acordo com informações divulgadas pelo Ministério de Minas e Energia, acontece na próxima quarta feira, dia 12 de fevereiro, uma reunião no ministério que contará com a presença de integrantes da Empresa de Pesquisa Energética e da Agência Nacional de Energia Elétrica. O encontro deve discutir se esse prazo do horário de verão será mesmo ampliado ou não.

O horário de verão 2015 teve início ainda no ano passado, no dia 19 de outubro de 2014, e é válido para todos os estados das regiões Centro Oeste, Sudeste e Sul. Inicialmente, o fim da medida estava previsto para 22 de fevereiro, mas as autoridades estudam a ampliação dessa data. A proposta foi pensada principalmente para conseguir diminuir o consumo de energia da população durante os horários de pico, por volta das 18 horas, quando ainda é possível aproveitar a luminosidade natural. Em todos os estados adeptos, a medida em seu período normal ajuda a diminuir as despesas e as demandas do setor energético no país.Governo estuda ampliar horário de verão em um mês

Nesta reunião na próxima semana, as autoridades discutem juntamente com técnicos um dos principais argumentos da medida, que é o deslocamento que vem sendo registrado neste horário em que acontece os maiores índices de consumo de energia, mas este ano começaram a ser registrados no período de 14 horas. Se for confirmado esse dado, ampliar o horário de verão seria pouco efetivo para economia de energia. O Ministério também informou que inicialmente, o governo não tem predisposição de ampliar o horário de verão, destacando que é apenas uma alternativa em estudo, mas sem qualquer concretização até o momento.

O governo estimava no começo do horário de verão desse ano uma economia de quase R$ 280 milhões, garantindo geração de energia térmica nos horários considerados de pico. No último ano, na edição anterior do horário de verão, a economia registrada pelo governo chegou a R$ 405 milhões.