Publicado em: quarta-feira, 04/06/2014

Governo estimula entrada de dólares no país

Governo estimula entrada de dólares no paísO governo federal adotou medidas para voltar a estimular a entrada do dólar americano no Brasil. A iniciativa se deu por causa da alta do dólar, que está com o valor mais alto em seis meses. A moeda teve o pico no início desta semana. Depois disso, o governo passou a tomar decisões direcionadas aos empréstimos externos realizados por grandes empresas e também pelos bancos.

Os empréstimos externos com mais de seis meses terão Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) zero. Já as operações financeiras com menos de 180 dias, a taxa do IOF continua em 6%. Antes dessas medidas, a empresa que quisesse buscar dinheiro fora do país não pagava nada de IOF a partir de empréstimos com prazo de pelo menos 360 dias.

Com a mudança, o prazo foi reduzido para 180 dias e para operações que não tenham esse prazo mínimo, o IOF continua o mesmo, ou seja, 6% em cima das movimentações. As novas medidas estão estabelecidas por decreto presidencial. A publicação em “Diário Oficial da União” aconteceu nesta quarta-feira, dia 4 de junho.

O custo fiscal das mudanças tem valor de cerca de R$10,31 milhões no ano de 2014. As informações são do Ministério da Fazenda. Em nota, o órgão se posicionou dizendo que a medida busca facilitar a captação de recursos no mercado externo por meio de consequências positivas para a economia do Brasil.

Na terça-feira, 3 de junho, o dólar americano permaneceu em alta pelo terceiro pregão consecutivo. Atualmente, o valor está em R$2,30 e o mercado testa os níveis de tolerância, além dos planos de intervenção por parte do Banco Central.

Na noite de ontem, 3 de junho, foi anunciado um leilão de contratos de swap para rolagem. Isso fez com que houvesse dúvida quanto à estratégia de ações no câmbio. Especialistas no assunto dizem que o Banco Central teme impactos sobre a inflação se o dólar continuar muito valorizado.