Publicado em: terça-feira, 10/07/2012

Governo está atento a situação das empresas aéreas, diz ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil

Segundo informação repassada pelo ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, Wagner Bittencourt, o governo está monitorando e avaliando a situação financeira das empresas de aviação. Essa declaração foi dada pelo ministro-chefe durante inspeção das obras do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro. Essa passou a ser uma preocupação depois que no dia 26 de junho a Gol anunciou corte de 2,5 mil funcionários até final deste ano. Segundo Bittencourt, esta é uma situação delicada, pois é um setor em que a margem de lucro é pequena e os custos são crescentes, associados a baixa dos preços de passagens que se tornaram mais populares. Ele disse ainda que este não é um problema apenas do Brasil, mas é internacional. Para o ministro o maior problema do setor aéreo, seja no Brasil ou no exterior, é o aumento no preço do combustível, o que é resultado também do aumento do preço do petróleo. Alguns dados indicam que 40% dos custos das companhias são com o combustível, o que é um valor quase sempre fixo que dificilmente pode ser reestruturado. O governo está observando, neste momento, como o setor vai se estruturar em longo prazo.

Procura por passagens neste momento auxilia empresas aéreas

Em contrapartida esse é um momento bom para as empresas, já que houve uma ascensão econômica da população que fortalece o setor já que muitas pessoas estão procurando passagens aéreas no país. Bittencourt ressaltou que houve um aumento da demanda por esse setor nos últimos anos e isso permite também que as empresas reduzam o valor das passagens.

O ministros disse ainda que as obras em aeroportos servem para melhorar a estrutura desses espaços para receber mais gente. Espera-se que os aeroportos estejam todos prontos para a Copa de 2014. O dinheiro que está sendo investido faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC2).