Publicado em: terça-feira, 11/10/2011

Governo egípcio investigará protestos violentos depois de 24 mortes

O conselho militar do gabinete governo do Egito organizou uma reunião de emergência nesta segunda-feira (10) para tratar sobre as manifestações violentas de domingo que deixaram 24 mortos. O encontro entre as autoridades foi realizado antes dos funerais das vítimas. Os conflitos do domingo foram entre cristãos coptas e forças de segurança do governo. Os coptas começaram a protestar depois de um ataque à uma igreja, o qual acreditam que tenha sido planejado por muçulmanos extremistas.

Depois da reunião, o primeiro-ministro do Egito, Essam Sharaf, pediu ao povo que tenha calma, pois acredita que a violência interna pode representar uma ameaça ao país. As manifestações de domingo foram consideradas as mais violentas desde a queda de Hosni Mubarak, ex-ditador. O premiê destacou que o episódio do final de semana representa também uma ameaça à relação entre civis e militares. Para os coptas, o atual conselho militar governando o país apóia os ataques anti-cristãos que vem acontecendo.

De acordo com um comunicado divulgado pela TV estatal do Egito, o Exército vai montar um conselho “para determinar o que aconteceu e tomar medidas legais contra todos os que estiverem comprovadamente envolvidos”. O Exército também destacou que está se preparando para deixar tudo pronto e passar o governo para os civis.

Segundo fontes que presenciaram os protestos de domingo, os muçulmanos entraram no meio das manifestações para defenderem os cristãos. Testemunhas confirmam que viram carros do governo passando por cima de pessoas. Os muçulmanos teriam aderido para protestarem contra a presença dos militares no governo.